Notícias

Equipe do Pró-Vida ministra palestra em escola da rede pública no conjunto Ajuricaba

A Polícia Civil do Amazonas, por meio de representantes do Programa de Prevenção, Revisão, Orientação, Vida, Independência, Dignidade e Amor (Pró-Vida), mantido pela instituição, ministrou na manhã de terça-feira (15/5), palestra sobre violência, abuso, exploração sexual, bullying e prevenção às drogas, direciona aos alunos do Ensino Médio da Escola Estadual Raimundo Gomes Nogueira, situada na rua B28 do Conjunto Ajuricaba, primeira etapa do bairro Alvorada, zona centro-oeste de Manaus.

(Foto: Divulgação)

Conforme a assistente social Leila Gazel, que compõe a equipe do Pró-Vida, a palestra foi prestigiada por 22 estudantes. Na ocasião, eles puderam esclarecer dúvidas relacionadas aos temas tratados em sala de aula. De acordo com o investigador Renato Elias, coordenador do Pró-Vida, o objetivo do projeto é proporcionar à comunidade escolar conhecimentos e técnicas preventivas para o enfrentamento à violência e às drogas nas escolas para que essas pessoas sejam multiplicadoras do projeto.

“O nosso objetivo é estar sempre lá voltando para capacita-los, porque estamos trabalhando, principalmente, com foco nos alunos do Ensino Médio, para que eles tenham acesso à informação e compartilhem os conhecimentos adquiridos com as nossas palestras”, argumentou o coordenador do Pró-Vida.

Os próximos encontros acontecerão nos dias 25 e 30 de maio deste ano. Também estão previstas palestras nos dias 2 e 5 de junho. Os encontros na escola serão encerrados no dia 29 de junho, segundo a equipe do Pró-Vida.

Sobre o programa - O Pró-Vida é um programa social mantido pela Polícia Civil do Amazonas há 19 anos. Criado em 22 de julho de 1998, tem por objetivo trabalhar, na capital e no interior do Estado, ações preventivas de combate às drogas e comportamentais, como consequências da prática de bullying, violência doméstica e gravidez precoce. O programa atende instituições de todos os segmentos, como as Forças Armadas, empresas, comunidades, igrejas e escolas.

 

Comentários