Notícias

Governo do Amazonas e Prefeitura de Manaus deflagram operação "Centro Seguro 4"

O Governo do Amazonas, por meio da Polícia Civil do Estado, deflagrou na tarde desta quinta-feira (5), em parceria com a Prefeitura de Manaus, a operação “Centro Seguro 4”. Nesta edição serão cumpridos dez mandados de busca e apreensão em bares e hotéis na rua Lobo D’Almada, trecho entre a avenida Sete de Setembro e rua José Clemente. Sob a coordenação da Secretaria Municipal do Centro (Semc), as secretarias e órgãos da administração municipal fiscalizarão 20 estabelecimentos no mesmo trecho em parceria com o Corpo de Bombeiros e concessionárias.

Ao todo, 93 Policiais Civis, entre delegados, investigadores, escrivães e peritos irão participar da ação. Pela Prefeitura, um efetivo de 70 servidores públicos das secretarias de Finanças (Semef), Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) e do Departamento de Vigilância em Saúde (DVisa) e Instituto Municipal de Ordem Social e Planejamento Urbano (Implurb) irão verificar o cumprimento da legislação municipal que exige licença sanitária e ambiental, alvará de funcionamento, dentre outras autorizações.

Muitos estabelecimentos não possuem essas documentações ou estão vencidas. O Corpo de Bombeiros irá cobrar a apresentação do Laudo de Vistoria, documento exigido pela corporação. As concessionárias Manaus Ambiental e Eletrobrás Amazonas Energia, além da empresa Net, irão fiscalizar a existência de ligações clandestinas de água, energia elétrica e TV a cabo, conhecidas popularmente como ‘gatos’.

As Polícias Militar e Federal, a Guarda Civil Metropolitana, o Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans), o Conselho Tutelar e as secretarias municipais de Assistência Social e Direitos Humanos (Semasdh) e de Limpeza e Serviços Públicos (Semulsp) integram a operação. Assim como a Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas), dentre outros órgãos.

Outras edições

A primeira edição da operação “Centro Seguro” foi realizada no dia 2 de agosto deste ano, quando 16 hotéis foram interditados e notificados por irregularidades na rua Quintino Bocaiúva. Na ocasião, a Justiça havia encaminhado à Polícia Civil 18 mandados de busca e apreensão. Dois hotéis estavam regulares, com autorizações e licenças exigidas pela legislação municipal. Na operação, 39 pessoas foram apreendidas.

Entre elas, 20 eram estrangeiros com origem da Venezuela, Colômbia e Peru. Na época, os estrangeiros foram apenas multados e notificados para deixar o País em oito dias. Dois dos estrangeiros foram indiciados por falsificação de perfume. O número de crianças encontradas foi 14, sendo a mais nova com três meses e a mais velha com 10 anos. Os menores estavam vivendo em ambiente deplorável, com baratas nos colchões e estavam abandonados no momento da operação.

A segunda edição ocorreu no dia 24 de agosto e combateu a distribuição de produtos falsificados. A operação chegou às galerias do Hotel Amazonas e também nas ruas Marechal Deodoro, Floriano Peixoto e Teodoreto Souto, no Centro. Na operação, um homem considerado o ‘cabeça’ da distribuição da pirataria no Centro foi preso com mercadorias avaliadas em R$ 500 mil. Dez toneladas em produtos foram apreendidas. Sete empresários foram autuados em flagrante e encaminhados para a Seccional, no bairro da Colônia Oliveira Machado, Zona Centro-Sul.

A terceira edição da “Centro Seguro” foi realizada para combater o tráfico de drogas e a prostituição infantil em bares e hotéis, no dia 27 de setembro e 15 locais foram fiscalizados com a autorização da Justiça por meio de mandados. Os locais desta edição foram as ruas Frei José dos Inocentes, Henrique Antony, Itamaracá, Tamandaré e Visconde de Mauá. A operação resultou nas prisões de duas pessoas por tráfico de drogas e no fechamento de seis bares. Outras três pessoas foram levadas à Seccional Sul da Polícia Civil, onde foi montada a central de flagrantes, para prestar esclarecimentos.

Comentários