Notícias

O talento por trás do hino da Polícia Civil do Estado

Francisco José Itamar Dantas da Costa, 61, é investigador de Polícia há mais de três décadas. Natural de Manaus, ingressou na instituição no dia 16 de julho de 1986, após aprovação em concurso público. Ele é o compositor do hino da Polícia Civil do Estado do Amazonas. 

Com uma longa trajetória profissional na instituição, foi designado para atuar nas antigas 1ª, 2ª, 3ª, 6ª, 7ª, 8ª, 9ª, 11ª, 12ª, 13ª, 14ª, 20ª e 21ª Delegacias de Polícia (DPs), atuais Distritos Integrados de Polícia (DIPs). O servidor ressalta que a paixão em compor poemas e músicas o acompanha desde muito cedo. Já deixou contribuições pelo boi-bumbá e em diversas escolas de samba na capital.

No ano de 1994 aconteceu o concurso interno para a criação do hino da Polícia Civil. “Sempre gostei de escrever e compor letras. Na época, o delegado Roberto Peixoto, então titular do 1º DP, onde eu era lotado, conseguiu me convencer a participar da disputa”, recorda José Itamar.

Francisco José Itamar Dantas da Costa, compositor do hino da Polícia Civil do Estado do Amazonas. (Foto: Erlon Rodrigues / PC-AM)

De acordo com o investigador, dentre várias composições que haviam sido inscritas, a dele foi escolhida. Após o resultado, no dia 14 de outubro de 1994, o hino foi encaminhado ao Diário Oficial, obtendo a assinatura do então governador do Estado, Gilberto Mestrinho.

“A minha inspiração em compor a letra do hino veio pelo prazer de atuar na Polícia Civil. Aquela empolgação de trabalhar com o que se gosta e vivenciar a rotina, muda a visão que temos de tudo. Eu já era compositor e já tinha trabalhos meus celebrados por cantores e escritores locais”, destacou.

 

Hino da Polícia Civil do Estado do Amazonas

 

“A Polícia Civil do Amazonas,

devoção ao Estado darás,

no requinte do culto da glória,

triunfante vitória viverás.

 

Soberana em prol da Justiça,

és conquista, és facho de luz,

nos caminhos de paz desta vida,

nossa história tão linda traduz.

 

Ser leal nesta luta inglória,

pela força de um amor varonil,

ser legal é fazer nossa história,

toda glória à Polícia Civil.

 

Soberanos da lei com ousadia,

e no peito este orgulho que traz,

respeitamos a nossa hierarquia,

como homens de bem e de paz.

 

Saberemos transpor com clareza,

com firmeza a injustiça viril,

deleitando na honra de ser,

toda a glória à Polícia Civil”.

Comentários